Segue-me por Email

domingo, 20 de maio de 2007

A àrvore...

Era uma vez uma família, que decidiu plantar uma árvore, ela era pequenina, precisava de tanta coisa para crescer... nos primeiros tempos trataram dela, mas depressa a foram esquecendo...demorava muito tempo a crescer...nunca iria dar fruto...comentavam, e a árvore pequenina sentiu-se abandonada...mas, ainda assim...insistia em crescer, mesmo sem cuidados lá ia ela crescendo, um dia, outro dia...muitos dias!




E passaram-me muitos anos...a árvore tinha crescido, mas estava seca, os seus ramos erguiam-se para cima, mas secos, de vez em quando vinha a senhora que a havia plantado e lá ficava ela a protestar contra árvore, outras vezes aproveitava para ficar ali falando sozinha, e a árvore a escuta-la, a árvore que estava quase morta, ainda a conseguia ouvir...queria dizer-lhe - devias ter cuidado de mim, mas não o fizeste, mas ainda te consigo ouvir, Alguém foi cuidando de mim...-E todas as tardes lá aparecia a senhora, para mais um monólogo, queixava-se de tudo, e nem reparava que a pobre da árvore estava quase a morrer... ás vezes deixava escapar..."nunca deste fruto...devia mandar-te cortar...mas pronto, já fazes do jardim...deixa-te estar ..."

Até que um dia, apareceu por aqueles paragens um pastor com o seu rebanho, a árvore pareceu nunca ter ouvido o bramir das ovelhas, nem o tilintar dos chocalhos, aquilo pareceu-lhe música...e sentiu como que se a sua seiva quisesse voltar a correr, alegrou-se perante o aocntecimento! depois ficou a observar tudo, o pastor adorava as ovelhitas, todas tinham um nome e ele dava-lhe tantos miminhos...a árvore queria ser uma delas, a árvore que tinha crescido sozinha, sem saber o que era amor, agora via naquelas ovelhas e no seu pastor o amor a transbordar...Ficaram muito tempo, as ovelhas aproveitaram para dormir um pouco e o pastor encostou-se á árvore também para dormir...poderia ter escolhida outra..havia tantas, e com muita folhagem...mas ele adormeceu ali...e a árvore do fundo de si, gritava em silêncio...Salva-me! Quero ser uma árvore como as outras! E o pastor ouviu mesmo os eu grito, porque quando acordou, dirigiu-se á arvore e disse-lhe que ela estava doente, porque a tinham abandonado, mas que ele agora viria todos os dias com o seu rebanho e que ia cuidar dela, cuidaria tanto que ela ainda havia de dar fruto!!
A àrvore dançava de contentamento, pulava e todos os dias aguardava a chegada do rebanho e do pastor, em poucos dias ficou sem erva ao seu redor, o pastor cuidou da terra, falava com a àrvore com a mesma doçura e com o mesmo amor que tratava as suas ovelhitas! E a árvore começou a recuperar!!
Novas folhas cobriram os seus ramos, os pássaros que nunca mais tinham aparecido por ali, vinham descansar na sua copa, muitos vieram para a sua sombra, e a árvore sentia-se feliz! Mas, a senhora...não estava a gostar da ideia... a árvore começava a estar sempre "ocupada", todos queriam ficar junto a ela...agora a árvore já não era só dela...já não podia ficar ali todas as tardes no seu monólogo..e de novo se insurgia contra a árvore..."primeiro quando estavas a morrer, ficavas aqui disponivel para mim...agora há por aqui sempre gente a mais! Achas isso bem? Afinal fui eu que te plantei!" E a árvore queria dizer-lhe... - que importa plantar, se depois não soubeste cuidar? - ...mas, a árvore não podia falar... e ficava em silêncio ouvindo coisas injustas...

Até que chegou a Primavera...e pela primeira vez os seus ramos encheram-se de flor, a árvore estava linda, e todos queriam desfrutar da sua beleza, da sua sombra, cada vez mais pessoas, mais pássaros escolhiam a árvore "esquecida" durante tanto tempo...



E nesse verão...vieram os frutos! A àrvore deu frutos... e todos podiam comer dos seus frutos, e eram bons! Todos sorriam porque chegavam, colhiam e comiam... Quem mais uma vez não achou graça nenhuma foi a senhora que plantou a árvore...e mais uma vez ela ia protestando contra a árvore... - Esses frutos são meus...afinal fui eu que te plantei, fui eu a única pessoa que vias quando estavas a morrer..." a senhora não pôde concluir a frase, porque atrás dela estava o pastor que também vinha colher um fruto e disse-lhe:



As árvores são como os animais, e como as pessoas...não podem viver sem AMOR, a senhora plantou esta árvore é verdade, mas pouco a pouco deixou-a morrer...servia-se dela, mas nunca lhe perguntou se ela ficaria melhor se não tivesse erva á sua volta, e se tivesse a terra cavada... Deus não a deixou morrer, foi-a aguentando até eu chegar, até eu cuidar dela...os frutos que ela deu, são, pois de Deus, não são meus, e muito menos são da senhora! desta vez foi com uma árvore...imagine que era com uma pessoa!
As lágrimas corriam pela face da senhora, e o pastor abraçou-a, dizendo-lhe que todos erramos, mas que temos que ter muito cuidado com os nossos erros...que por causa deles a Vida pode bem não acontecer!

13 comentários:

o alquimista disse...

Um simples gesto transforma tanto este nosso mundo onde somos hospedes de passagem...

Doce beijo

Flôr disse...

...vai estás perdoada, mas não peques mais."


Todos erramos, pecamos, mas repetirmos sistemáticamente no mesmo erro... já é parvoiçe!

Beijocas minha querida amiga do coração. :D

Tua amiga Flor

anawîm disse...

Todos somos um pouco árvore frágil, um pouco pastor amigo... um pouco jardineiro que planta e não cuida...

Elsita...
Agradeço imenso a tua partilha, mais uma vez te digo, há quem ame, de modo tão imperfeito, que não o saiba fazer de outro modo, por estranho que pareça, e a mais profunda intenção não é magoar o outro, mas absorver a sua atenção...porque aquela pobre jardineira, talvez também ela não tenha sido "regada", amada, acarinhada...

Bendito sejam todos esses pastores que trabalham em nome de Jesus-Pastor. Benditos sejam todas as copas frondosas que acolheram o Amor de Deus...
Agora é a jardineira que precisa da árvore, agora é a árvore que se deve entregar à jardineira e ser para ela sombra e paz...
é assim que, agora, a árvore fará o papel de pastor para a jardineira, amando mesmo sem entender, amando mesmo sofrendo...
É mais urgente conquistar todos os corações para o nosso Deus...é urgente...

um abraço muito grande

O Micróbio II disse...

O dia da árvore já lá vai... mas esta história fica... :-)

Cátia disse...

Minha querida,

A senhora que plantou a arvore, achava que bastava planta-la para se achar proprietaria dela... nunca a amou, mas provalmente também nunca aprendeu a amar... Depois admirou-se quando viu os gestos de amor do pastor e quis retê-la, quis manter a sua propriedade... mas o amor cria laços que ninguem pode cortar.

Deus deu-te muito amor, e tu cresceste com ele e através dele. Deste muitos frutos, flores e folhas, para saciar a fome, a sede de tantos e abrigares muitos também... Eu sou como um dos passaros que estao nessa arvore, quero proteger-me em ti, quero ter-te como porto de abrigo... sou também como essas pessoa que comem os frutos...

Querida, sente esse amor e cresce... cresce sempre nele e partilha-o, continua a dar esses frutos, porque ajudarás mts outros. E o pastor, Deus, sorrirá sempre para ti e continuará a tomar conta de ti, a cultivar-te na fe e no amor.

Adoro-te.
Beijinhos grandes da tua menina

Isabel disse...

Ainda bem que aqui venho aprender lições de vida contigo.

A tua história é maravilhosa e verdadeira...

Na vida não basta plantar e depois esperar colher... na vida é preciso cuidar.

E isto é em tudo.
Na natureza.
Com os animais
Com as pessoas
Com os amigos
No amor
Em tudo.

Mais uma vez conseguiste uma história com um enorme simbolismo e fácil de entender por todos.

Era tão bom que as pessoas entendessem que nada é nosso, e ainda assim devemos semear e cuidar pois só assim faremos o mundo crescer...

Este mundo é de todos, todos deveriamos plantar, todos deveriamos cuidar, todos deveriamos ter direito a colher e palntar de novo... assim deveria ser ...

Um grande beijo para ti Elsa.

Isabel

pe.cl disse...

Querida "dinha", gostei muito desta tua partilha e, escusado será dizer que me identifiquei progressivamente com qualquer um dos personagens da tua história.
O importante é perceber qual o papel que somos chamados a desmpenhar e tentar desempenhá-lo o melhor possivel. Beijinhos.

antn rosario disse...

A NATUREZA É BELA !..Pena é que tanta gente a ande a destrúir por complecto, pela primeira vez visitei o teu cantinho e fiquei muito impressionado com o seu conteúdo, é simplesmente admirável...parabéns!..

margusta disse...

Olá Elsa!
...que linda história! Á medida que a ía lendo ía me lembrando das crianças que crescem sem Amor...

Beijinho grande para ti!

Luís Galego disse...

li três vezes este texto....li com muito agrado!!!

amordemadrugada disse...

Olá
Gostei da sua passagem no meu pequeno jardim...
vim visitar o seu cantinho...Amoroso!
Venha sempre visitar-me p.favor
Floritas pra si...
Beijo

Sandra Dantas disse...

Ó linda!!!
Compreendi perfeitamente e identifiquei-me também eu com cada um dos personagens!
Que aprendamos a Amar e a acompanhar todos os que nos rodeiam, olhando para eles com o olhar amoroso de quem sabe que esse simples olhar pode mudar o dia de alguém!!!

Um Abração GIGANTONE!!!

antonio disse...

Quando pensava que a tua história tinha só dois personagens, eis que surge o pastor e o seu rebanho e tudo explodiu em cor e sons.

Mas regresso à primeira parte da tua história, retenho a lição da tua árvore: nunca estamos suficientemente secos para que não possamos verter um pouco de amor, nem suficientemente abatidos para que não sejamos capazes de escutar.

Também eu gostaria de me deitar à sombra da tua árvore e falar um pouco de mim.