Segue-me por Email

sábado, 10 de outubro de 2009

IR PARA ONDE DEUS NOS CHAMA

Daniel Comboni -

10.10.2009

128 Anos depois...

"À porta da igreja de uma aldeola situada na margem ocidental do lago de Garda, no Norte da Itália, dona Domingas parou, para se benzer com água benta, e a passar às senhoras que entravam... Em voz sumida diz a cada uma: «Reze à Virgem para que não deixe partir o meu Daniel.» Ao terminar a missa, o «milagre» aconteceu. A Virgem – Nossa Senhora das Graças, muito venerada na paróquia de Limone (é este o nome da aldeola do lago de Garda) – convenceu a dona Domingas a deixar o seu filho livre para seguir a sua vocação.
Regressando a Verona para os últimos preparativos da expedição missionária à África, o Pe. Daniel, de 26 anos, com 1,75 metros de altura, corpo de atleta, dois olhos vivazes que falam primeiro que os seus lábios, envia uma fotografia a seus pais em que escreve as palavras de Jesus: Quem amar o pai e a mãe mais do que a Mim, não é digno de Mim. Dona Domingas, apertando entre as mãos a última lembrança do filho, beija-a chorando: Senhor, de oito filhos que me deste, resta-me só este e... de papel.


Daniel era, de facto, o único filho sobrevivente; os outros tinham morrido em tenra idade. O missionário que se despede de sua família para anunciar aos povos distantes o Evangelho de Jesus pode parecer duro e sem coração. Na realidade, poucos como ele amam seus pais com um carinho especial, sublimado e enriquecido pela graça.
Adeus querido pai, adeus querida mãe – escreve o Pe. Daniel ao iniciar a sua primeira aventura missionária –, vós estais e viveis sempre no meu coração. Eu amo-vos e estimo-vos muito, pois soubestes realizar uma obra heróica que os grandes e os heróis do mundo não sabem cumprir... Este filho, que era todo o vosso património na Terra, consagraste-lo completamente a Deus, não reservando para vós mais que o perene sacrifício do seu afastamento e até a sua perda por amor de Jesus Cristo.


Chegado à sua missão, o Pe. Daniel escreverá à sua mãe: Oh, se visses a miséria que há nestas paragens! Se tivesses cem filhos, dá-los-ias todos a Deus... Sim, querida mãe, és sumamente querida a Deus; e eu vanglorio-me de te ter como mãe."

Fonte - AKI

4 comentários:

Ana disse...

Olá bom dia amiguinha!
Hoje tive um pouco de tempo para vir até AKI e gostei muito do que vi e li.
Em relação a esta mensagem que gostei muito, porque "A Fé Move Montanhas", se estas pessoas não alcançarem o Céu quem alcança?
É de louvar quem deixa tudo para ajudar quem precisa.
Aproveito para te desejar um dia de Sábado muito feliz!
Beijinhos grandes,
Ana Paula

Maria disse...

Que bom que é conseguir responder presente ao chamamento do Senhor.
Eu gostava muito de ter tido um filho padre ou missionário.
Gosto de rezar por eles e elas as missionárias que se entregam de corpo e alma ao serviço dos outros e como tal ao serviço de Deus. Eles(as) não precisam só de ajuda material, para distribuir pelos que tanto necessitam, mas também de ajuda espiritual, para que o possam fazer, sempre com enegia redobrada cada dia.

Maria disse...

Que bom que é conseguir responder presente ao chamamento do Senhor.
Eu gostava muito de ter tido um filho padre ou missionário.
Gosto de rezar por eles e elas as missionárias que se entregam de corpo e alma ao serviço dos outros e como tal ao serviço de Deus. Eles(as) não precisam só de ajuda material, para distribuir pelos que tanto necessitam, mas também de ajuda espiritual, para que o possam fazer, sempre com enegia redrobada cada dia.

Maria disse...

Que bom que é conseguir responder presente ao chamamento do Senhor.
Eu gostava muito de ter tido um filho padre ou missionário.
Gosto de rezar por eles e elas as missionárias que se entregam de corpo e alma ao serviço dos outros e como tal ao serviço de Deus. Eles(as) não precisam só de ajuda material, para distribuir pelos que tanto necessitam, mas também de ajuda espiritual, para que o possam fazer, sempre com enegia redrobada cada dia.